Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O LEITINHO QUENTE DE PAPAI

O Leitinho Quente de Papai



Lembro-me de quando era garotinho. O melhor momento do dia era quando papai chegava do trabalho no fim do dia. Como sou seu único filho homem, ele sempre se mostrou mais dedicado a mim do que às minhas irmãs. Papai era fazendeiro, mas não do tipo que sá dá ordem (apesar de ser um homem autoritário e enérgico), mas que põe a mão na massa. Papai era um homem grande. Para mim, um garotinho, ele parecia maior ainda. Seu corpo firme tinha sido moldado pelo trabalho braçal. Ele sempre tinho sido um bom garfo também, o que resultou num corpo volumoso. Sempre me impressionei com ele.

Quando papai chegava em casa, a primeira coisa que fazia era tirar sua camisa suja do trabalho. Suas camisas quase sempre me pareciam pequenas demais para ele. Os braços musculosos pareciam querer arrebentar o tecido, assim como seus peitões e seu barrigão. Adorava vê-lo se livrar da peça de roupa, deixando que o seu torso suado respirasse. Olhava para aqueles pelos todos de seu corpo com admiração, imaginando se algum dia eu iria ser tão peludo como ele. O suor deixava seus pelos meio grudados ao corpo. Eu o recebia com muita alegria. Ia correndo até ele e, apesar do seus protestos de que estava sujo e suado, eu o abraçava com fervor. Sempre dizia o mesmo, que eu esperasse até ele tomar banho para abraçá-lo, pois daquele jeito eu também acabaria sujo. Mas o que eu queria era sentir seu cheiro natural, sem interferências de sabonetes ou shampoos, sentir seu calor através do contato direto com sua pele, a textura de seus pelos, o seu queixo áspero me espetando. Me agarrava a meu pai naqueles momentos como se ele fosse um porto seguro, aninhado em seus braços. O resultado de tanta agarração era que eu realmente acabava sujo, o que eu adorava, pois aí íamos tomar banho juntos.

Entrávamos no banheiro e papai trancava a porta. Se livrava da calça e da cueca de uma vez sá, ficando completamente nu. Depois me ajudava a tirar a minha roupa. Daí ele ficava de quatro e dizia que era um touro e que ia me pegar. Eu sempre achava muita graça dessa brincadeira. Lembro-me dele de quatro, balançando o traseiro, com seu cuzão peludo à mostra e seu sacão balançando. Parecia mesmo um touro. Lembro-me do aroma que dali vinha. Eu montava meu "touro" e batia em sua bunda para fazê-lo andar. Entrávamos no box e deixávamos que a água escorresse sobre nossos corpos, transformando aquele banho num momento de extrema intimidade entre pai e filho.

Papai sempre queria que eu o ensaboasse, coisa que eu adorava fazer. Ele dizia que gostava da maciez da minha mão. Havia sempre um sequência crescente nessas ensaboações, como num ritual. Ele se sentava no chão para que eu pudesse começar pelas costas. Pegava o sabonete e passava por suas costas largas, esfregando-as e sentindo cada músculo. Logo a espuma começava a se formar. Lavava seus braços e passava a esfregar seu peito. Ele gostava que eu apertasse seus mamilos. A esta altura seu pinto já estava crescendo. A minha piroquinha também sempre ficava dura. Meu pai tinha um pinto não muito comprido, mas como era grosso o trabuco... Eu ficava impressionado com a diferença de tamanho entre o meu e o dele. E também como o pau dele mudava tanto de aparência. É como se a caceta ganhasse vida. A pele que recobria a cabeça ia para trás e surgia um cogumelo roxo inchado e grosso. As veias todas pareciam que iam estourar.

Depois de seu peito, passava para o seu barrigão cabeludo, que apesar de grande, era bem firme. Papai então se levantava, com o mastro em riste, para que eu lavasse suas pernas grossas e cabeludas. Em penúltimo lugar, cuidava de sua rola. Papai me ensinou como lavá-la direitinho, passando meus dedos ensaboados pelo cogumelo, limpando debaixo da pele do seu pau, apertando e soltando o corpo do membro, que não conseguia envolver todo com minhas mãos. Seu saco também não era esquecido. Papai me ensinou a pegar com cuidado e a pressioná-lo quando ele pedisse.

Por último, a sua bunda. Passava o sabonete pelos globos firmes e cabeludos. Então papai abria-os com as mãos para que eu atingisse mais facilmente seu cu. Enfiava meus dedos cheios de sabão e papai delirava, soltando suspiros e gemidos. Papai aproveitava para tocar uma punheta e gozava rapidamente. eu ficava admirado de ver aquele leite de macho saindo da sua rola e ficava louco para saber que gosto tinha.

Isto, na verdade, foi uma evolução. Primeiramente, somente tomávamos banho juntos, depois passamos a ensaboar um ao outro e a usar isto como pretexto para nos explorar mais ousadamente, até que passamos para a chupação.

Num de nossos banhos, estava ensaboando seu caralho e ele brincando com meu pintinho duro. Papai me disse que ia me mostrar uma coisa diferente e, que se eu não gostasse era sá dizer. Ele me aproximou, curvou-se um pouco, abriu a boca e engoliu minha rolinha. Eu pensei que fosse desmaiar... sua boca quente, sua língua passeando pela minha jebinha, ele sugando como se fosse um pirulito. Gozei, um gozo seco sem porra, mas que me deixou bambo. Ele perguntou se eu queria experimentar o pirulito dele e eu disse que sim. Eu segurei sua trolha, me ajeitei e comecei passando a língua, meio sem saber como fazer direito. Papai deu um gemido tão diferente que eu pensei que ele estava sentindo dor, mas ele disse que estava adorando. Eu também estava adorando aquilo. Na verdade, desde sempre que eu queria provar do seu caralho, mas não tinha coragem de pedir. O contato de minha língua com sua carne foi a coisa mais surpreendente. Nunca pensei que algo pudesse ser tão duro e tão macio ao mesmo tempo. A cabeçorra roxa tinha uma textura completamente nova para mim. Parecia que cada cm de sua rola tinha um gosto diferente. Nunca imaginei que um árgão com aquele pudesse ser tão rico de texturas, e meu fascínio pelo pinto do meu pai sá aumentou. Papai foi me dizendo o que fazer, mas não consegui acomodá-lo direito dentro da minha boca. Chupei também seu saco e consegui colocar uma bola de cada vez na boca, sob a sábia orientação de papai, me sentindo entupido de tanto testículo. Papai me chamava de seu filhinho lindo, de seu filhinho obediente, de seu filhinho maravilhoso. Isso sá me enchia de orgulho e amor por meu pai, e fazia com que eu me aplicasse ainda mais na mamada. Papai me perguntou se eu queria provar o leite dele e, antes que eu tivesse como responder, o olho do seu cogumelo começou a espirrar. Ajeitei minha boquinha para receber aquele mel paterno. Seu gosto foi uma surpresa: meio salgado, meio azedo, meio doce, mas fantástico. Aquele dia foi um marco. Descobri que o corpo de meu pai era capaz daquelas coisas todas, tão maravilhosas e tão novas para mim. Daquele dia em diante, ficou difícil me desgrudar de papai e , sempre que dava, pedia por seu leitinho quente de macho.



Esta histária é um relato real, e se você gostou dela ou quiser discutir o assunto, mande-me um e-mail.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS



contos eroticos peitos sadomasoquismoBrincando de casinha conto realcontos erotico meu cunhado e meu sogro me estupraramPorno de sendo discabaçada da buceta e do cuzinho devagacorno chama africano super dotado pra arrombar a esposa contosirmãfodeirma dormindono cine porno me fuderam na marra(adorei)e ainda fizeram o frouxo do meu marido virar viadinho.contoscontos eroticos de enteadascontos eroticos sequestrocontos eroticos troca trocaContos eróticos rebolarelato da tia grávida transando com sobrinhocontos eróticos real gang bang com esposa do deputadocomto erotico enteada adolecenteMeu pai me chupou inteira contos eroticosconto erotico meu avocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaConto erotico bunda a enteada mas velha.Porn contos eroticos o mulato amigo doo filhome comeram contos teenchantagem com casal. que pediu carona contos eroticoConto sexo flaguei minha conto sexo na escolapeguei meu amigo f****** as tetas da minha esposa na cozinha contos eróticoscontos eroticos minha namorada traindo com meu melhor amigocontos de afilhada da vizinhaconto eu e meu sobrinho metendo vai fode o rabo da titiacontos eróticos de bebados e drogados gaysver coroas no baile de Carnaval chupando pau passando a língua no sacourso tiozao roludo conto gaycontos eroticosda secretaria viciou a dar o cu para o patraocontos eroticos de incesto: manha mae me ensino a Transar 2contos eroticos cu de esposa vermelho cheio de porra com fotocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaconto erotico do garoto ricardo fodendo titiocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaminha namorada com o priminho contosyravesti gorda xvidioporno gay contos eroticos passando as ferias comendo priminho inocenteconto erotico comendo a obesaconto erotico quando era pequenaContos nao sabia bate punheta amiga de mamae me explicouViolentei a deficiente contos eroticoscontos de incesto menininhacontos eroticos assaltomaravilha conto heteroConto ninfeta narra como se prostituiacontos sou puta e insaciável por rolaconto rrotico ytanzando com abobrinhaconto de mulher bebada na festaconto erótico filha do chefecasa dos contos travesti tomei hormonio escobdidocontos eroticos duas amigas brancas encontraram negros caralhudos pra fodercontos de incesto sobrinhacontos eroticos novinha no barcontos eróticos chantagemcorno chama africano super dotado pra arrombar a esposa contoslesbicais mão a mara a filha e fodecontos eróticos mulher casada gosta de dar para seu cachorro pastor alemãoconto erotico gay comido por dois estranho para volta para casacontos eroticos gay mentalcontoeroticossexocontos eroticos comendo giovanacontos mulher alta bunduda ggConto muito picante de casal brancos bisexual so adoram foder negroscontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosSou casada fodida contocomtos eroticosgarotascontoserotico esfrego ate pedircontos eróticos caminhoneiro safadomocinha bonitinha filha de papai de calcinha fio dentalinterracial mulher meia cousa fudendofui bolinada na.mesa junto.com.o marido.contosFoderam gente contos tennsconto aquela mulher mexeu na minha buceta cu teenporno club contos eroticos de meninos gaysminha diretora me seduziu contosvideo de sexo c langerriContoseroticosesposafumantevirei puta assumida eu confessoescutei a conversa da titia com a mamae sobre sexo anal contosconto eróticos O EMPREGO QUE MUDOU MINHA VIDA parte 5Contos porno minha namorada mi engañoconto erotico gay florestacontos.praia de nudismo com o pai roludocdzinha brasiliaecotra coroa que.evie vido sexo avivocontos de cú de madrinhaconto herético gay ternominha sogra falou que tem dificuldade para gozarcontos eroticos gay inrustido com montacomtos gozoticossonhar q mulher está bulinando outra nulherContos er minha bumda e do maridoeu disse pra minha cunhada casada eu dou esse dinheiro pra você ser você for comigo pro motel conto eróticoContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcontos eroticos sou uma mulher coroa e adoro tira a virgindade das mulecadaFoderam gente contos tennscontos eroticos de mulheres madurasconto meu marido rola pequena