Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O SACO DO MEU PADRASTO

Este conto foi escrito pelo safado do filho de minha ex-mulher há 3 anos, na época com 19 anos, que compartilho a seguir com vocês.



"Como era gostosão o meu padrasto! Trinta e quatro anos, cabelos levemente grisalhos, corpo magro e normal, com belas, grossas e peludas pernas e um pau que sempre mexeu com minhas fantasias. Sua mania de ficar sá de cueca boxer em casa mexia comigo. Muitas vezes, ele se trocava na minha frente, me deixando ver aquela rola grossa, enorme, com uma chapeleta grande, roxa e semi-descoberta. Porém, era por seu saco que minha boca salivava. Nunca vi saco mais lindo e apetitoso, com bolas generosas e bem acomodadas naquela bolsa de pele, trazendo pentelhos bem-aparados, que denotava ser muito macia ao toque. às vezes, ele dormia no sofá de casa sá de calção, deixando o saco sair e ficar dependurado por uma das pernas. Que vontade de acariciar, apertar e chupar aquelas bolas enormes!



Um dia, não aguentei vê-lo assim, dormindo seminu, na sua cama, com aquele volume em riste dentro da boxer. Pude ver seus quase 20x6cm em sua plenitude, quase furando o tecido branco da cueca. Fui devagar e, com panos, o amarrei na cama pelos braços e pernas. Comecei a apertar seu pau por sobre a cueca com força, o que lhe fez acordar assustado pela dor. Ele não acreditou ao ver seu enteado, zagueiro do time do bairro e pegador das gostosinhas da rua, agarrando seu jebão. Sua expressão detonava seu espanto. Amordacei-o mandando ficar calado. Arranquei com força aquela cueca, exibindo todo o meu objeto de desejo. Acariciei suas coxas e peguei gostoso em seu pau que já estava meia-bomba pelo medo. Ordenei meu querido padrasto a deixá-lo duro. Do contrário, o deceparia. Mostrei-lhe a faca de açougueiro por sobre a cabeceira. Ele suava frio, exalando o seu delicioso cheiro. Esta era a minha fantasia: abusar de um dotadão.



Passei a lamber toda a extensão daquela jeba. Acomodei-a todinha em minha boca. Chupei aquela chapeleta roxa com gosto. Brinquei com minha língua, pelos cantinhos de pele do cabresto. Aos poucos, ele foi liberando, ficando relaxado e gemendo. Seu pau pulsava ora em minha mão, ora em minha boca. Eu o punhetava devagar, olhando para aquele saco que tanto almejava. Agarrei-o e arranhei aqueles bagos, fazendo-o contrair-se de agonia. Enfiei-o todinho em minha boca, chupando as duas bolas ao mesmo tempo. Trocava-as com a língua, o fazendo sentir um misto de dor e prazer. Passei a mordê-las, como sempre desejei, sem me importar com os gritos abafados pela mordaça. Era lindo ver meu padrasto se contrair de dor nos bagos e ver seu pau babando em riste. Não sabia como era bom morder. Aproveitei e bebi aquele mel gostoso enquanto quase esmagava suas bolas com minhas mãos. Eu dei algumas palmadas naqueles bagos e puxava sua pele para mim, deixando-o estirado ao extremo e fazendo seu pau ficar a 90ª. Deslizei com meus dentes pela chapeleta, fazendo-o quase desmaiar de aflição, prazer e dor. Mamei gostoso no rolão do meu padrasto até ser brindado com aquele leite fértil, quente e saboroso que minha mãe deveria saber muito bem como era bom. Bebi tudo, saboreando cada gota de olhos fechados.



Achei que ele iria me bater, contar para minha mãe ou me entregar para a polícia pela tortura genital que lhe proporcionei. Porém, ele me disse que, se queria mamar, era sá ter pedido e não precisava judiar tanto de sua mamadeira. Desde então, passei a chupar as bolas e tomar meu leitinho, todo dia, direto da imensa fonte do meu padrasto. Um dia, ele não aguentou e me colocou sentado em sua vara. Eu, um molecão sarado de 19 anos e 1,84m de altura, tive o que mereci por ter judiado das bolas do meu padrasto. Ele me fez sentar naquele troço imenso e foi me rasgando de fora a fora. Fui empalado por ele de 4 e de frango assado. Cavalgar foi muito doloroso, até porque, ele quase esmagava as minhas bolas com uma mão e, com a outra, controlava meus movimentos, para que não sobrasse nenhum centímetro daquela jeba para fora do meu cuzinho, até então virgem. Eu gritei muito, mas meu lamento fora abafado pela mesma mordaça que usei com meu algoz. Meu cu ardia muito. Sentia uma vontade enorme de cagar, fazendo força para aquilo sair, porém entrava cada vez mais. Sentia suas bolas, que tanto chupei e judiei, batendo agora em minha bunda, que era espancada por suas mãos pesadas. Porém, se for para ter aqueles bagos em minhas sádicas mãos e aquele delicioso leite em minha boca, aceito qualquer doloroso castigo."

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS



meu buraquinho guloso no teu pauconto erotyco com velhos do azilocontos eroticos paty porteirovirei mulher de um transexual (casa dos conto de inversaocontos eroticos gay meu tio de vinte anos me comeu bebado quando eu tinha oito anoscontos da casa eroticos de mulheres tendos os cachorros ou lobos lambendo suas calcinhas e fodendo elascontos de coroa com novinhocontos sou crente mais ja trairContos filha fica de calcinha perto do paibeixei meu sobrinho contoscunhada provocantecontos eroticos no elevadorcontos eroticos online coloele me comeu e eu virei bichameu vizinho da policia me fode sem meu corno saber contocontoesposanualencol conto heteroFAMÍLIA LINDA CONTOS ERÓTICOScontos arregacamos minha esposashortinhos socadosconto erotico gay o sargento marrentocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaporno club contos eroticos de meninos gaysaposentado grisalho peludo comendo cuzinhocontos eroticos comi a biscatinhacontos de rasguei o cuzinho do moleque novinhoesposafiodentalcontofoto de conto eroticos da minha sobrinha pimentinhaContos eroticos... Minha doçe titiacontos eroticos na piscina com oa filhosfui comer acabei dandoajudei minha amiga tér um orgasmo conto eroticobaixa menina dano abuceta para o imao maoyravesti gorda xvidioMinha sobrinha sentou no meu pau peludo contoeroticocilindro meloso gostosocontos corno empretei minha mulher para traveti e fikei vendocontos eroticos pensei que era uma xota era uma rolana quarta feira de cinzas contos de sexoconto de incesto de pastor estrupadoContos eroticos de podolatria desejando chupar os pes lindos de primas aconto arregacando o cuzinho e enchendo de porra a cunhadanoiva dando para varios em lua de mel ficando toda arrombadacontos eroticos na arrombada noite de nupsiaTio fudeu mae eu fudei tia historiacontos virei femea na republica gayconto erotico viadinho de shortinho e calcinha com mendingoSou casada mas bebi porro de outra cara contosnoite maravilhosa com a cunhada casada contoscontoseroticoloiracunhado pauzudo fudendo a sogra e a cunhada,contos e relatos eroticosponogafico morena25 gotojaconto erotiro adoro engravidar mulheresconto erótico da b******** Doeu muitocontos eroticos q bocA e essa desse baianocontos eróticos bundãoconto erótico gay no cinemababa com menino contos eroticoscontos eroticos apanhandocontos de negão advogado comendo loira clientevideornposscontos eroticos dominou toda a minha familiacontos abusadas em grupobuceta de crente meu nome domitiliafudendo minha aluna contos eróticosconto erotico chupando pau com sorvetesexo que jamais imaginei contosCorno em calcinha contoContos eróticos meu primo meu amor minha vida meteSou casada mas bebi porro de outra cara contosContos transei com novinho gayhome afuder mulher com penis mais grandeFoderam gente contos tennsvideo de branquinho magrinho dando o rabinho a forçabaixa vidio mulher esfrega buceta na boca homem e solta porra na barriga delefotos de adoráveis travestis pirocudas nuascontos eróticos pastor compadre d*********** a virgemconto erotico lesbica namoradacontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eroticos dei sonifero para vizinha e arrobei sua bocetaSou casada fodida contoconto erotico gay tv a caboconto erotico novinho gay deu cavalgando no amiguinhoContos eróticos gravida de 4 peõesContos eroticos fudi minha irmã