Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

NO BUMBUM DA FREIRA; NO JARDIM DO CONVENTO...

Patrícia era uma freira jovem e alegre. Rechonchuda, mas não gorda, tinha ancas grandes e firmes, barriga batida, pernas grossas e peitos fartos, duros e intocados. Extremamente branca, cabelos longos e lisos, castanho-claros. Cuidava-se muito bem: pele sempre limpa e cheirosa, toda depilada, a bocetinha virgem de pentelhinos bem cortados, impecáveis. Era, realmente, uma mulher admirável, cheia de carnes, uma mulher com um abundante convite à libertinagem, mas nem se dava conta disso. Aliás, cuidava-se assim tão bem mais por questão de educação que de feminilidade. Na verdade, nunca houvera sentido tesão. Jamais se imaginara fazendo sexo. Sabia de tudo relativo ao tema, cientificamente falando, pois teve infância e adolescência normais, mas aquilo não a atraía. Por isso, ser freira, para ela, não implicava tanto sacrifício sensual, até certo acontecimento...



Um dia, no convento, chegou um jardineiro substituto. Era neto do antigo ocupante do posto, o seu José Freire, que se aposentou por invalidez: problemas de coluna. Chamava-se Elias o novo funcionário. Era um homem de uns trinta anos, alto, largo, bonito, negro e abobalhado. Sim, era meio retardado, lento das idéias devido a problemas no parto, mas trabalhava as plantas com toques de artista.



Patrícia, voltando de um feriado que passara com a família na capital, sem saber da nova contratação, entrou no convento e deparou com Elias adubando um canteiro. Olhou para as mãos maciças do homem, seus braços enormes escavando a terra. Sentiu, imediatamente, um grande tesão anal, que a incomodou. Saiu por um canto, apressada, transpirando, o anelzinho coçando e sem parar de piscar. Trancou-se em seus aposentos. Ajoelhou-se e se pôs a rezar, mas o tesão apenas crescia. O cu piscava, coçava, sentia calor; o corpo se arrepiava, transpirava, os grandes peitos estavam afiados. Logo, era a bocetinha que estava toda molhada. Ela correu pro banheiro e afundou num banho gelado, e se acalmou um pouco. Dormiu cedo.



Na manhã seguinte, ainda assustada, atravessou o pátio central rumo ao refeitário, e deu com Elias regando as plantas. O cuzinho piscou na hora, a bocetinha umedeceu, depois transpirou tesão. Ele a olhou, e foi um choque para os dois quando se encararam. Ela olhou pro meio das pernas dele, e viu um volume grande, que aumentava claramente. Ela se tremeu de tara e teve de andar mais lentamente, pois a simples fricção de suas pernas e o leve roçado das roupas íntimas ameaçavam causar-lhe um orgasmo ali mesmo, na frente de todo mundo. Enquanto ela passava, desengonçada, Elias a comia com os olhos



Noite. Patrícia tenta dormir, mas está tomada de suor e tesão; todas as partes de seu corpo pedem, imploram e sentem sexo. Que levar a mão à bocetinha virgem, desafogar tudo numa masturbação, mas evita... Sai para tomar ar. Vai ao jardim. Observa o trabalho bem-feito de Elias. Sente o cheiro de estrume, de plantas recém-podadas. Pega uma rosa para cheirar, mas entre a flor vermelha e seu nariz passa uma mão imensa, calejada, com cheiro de terra. Elias cala sua boca e prende sua cintura com o outro braço. Ela larga um grito, que escapa da mão do jardineiro como um assobio mínimo, inaudível. Seu cu desanda a piscar, a bocetinha é inundada de tesão, mas ela não quer, não pode, são seus votos, é um escândalo, um absurdo. O pau latejante encontra-se com sua bunda, encaixa por cima do vestido, bem no meio das nádegas apertadas. O cuzinho delira e Patrícia, de tesão, começa a gemer e respirar fundo. Ela se bate, mas é inútil: o homem é pura força. Ele a arrasta para detrás de umas palmeiras, deita-a de bruços na grama, levanta sua saia, tira sua cacinha e contempla, debaixo de uma grande lua, o bumbum branco, liso, intocável, ardendo de desejo. Puxa o pau pra fora. Patrícia vira os olhos, vê o colosso e quase desmaia de prazer e negação. Seu corpo pede, implora a penetração, mas sua cabeça recusa. Indiferente a um e a outro, Elias encosta a cabeça da pica no anelzinho rosado de Patrícia. Vai forçando, enquanto ela grita de desespero e de tesão, um grito abafado pela mão de Elias; um grito que se pudesse sair diria uma mistura de sussurros de prazer deliciosos e apelos de socorro desesperados. O pau força o anelzinho, que cede, não sem dor, mas com alguma facilidade, porque obedece ao corpo que quer. Patrícia é inundada de prazer, e acaba, sem notar, abrindo-se mais, levantando o bumbum, sentido cada centímetro de pau lhe rasgar de prazer, e ela goza, goza várias vezes, desmancha-se, sorri, lambe as mãos de Elias, que lhe enche o ânus de porra quente e abundante. Ele sai dela, e senta num canto. Pede desculpas. Ela levanta a calcinha, se recompõe, e volta correndo ao seu dormitário.





***



Na noite seguinte, Patrícia bate no quarto de Elias. Senta-se e inicia uma conversa:



– Seu Elias, o que o senhor fez ontem foi um crime! Vamos fazer um trato: o senhor vai embora daqui eu não o denuncio!



Mas ela não conseguia disfarçar o tesão, aquele desejo ainda não saciado todo; seu corpo, sua voz, tudo falava, tudo pedia, e Elias, embora burro, tinha uma enorme sensibilidade para o sexo. Ele a calou com o pau, socado de vez em sua boca, no meio do discurso. Dessa vez ela nem resistiu. Viu-o aproximar-se com o membro para fora e continuou falando, a boca cheia de saliva. Ardia em lembranças, estava rendida. Chupou o pau com devoção, lambeu-o todo. Despiu-se, beijou a boca de Elias. Deitou-se de frente, abriu as pernas, começou a alisar os práprios peitos, duas maravilhas entre as quais elais meteu o pau, que foi dar na boca sedenta de Patrícia, que, tirando o falo dos lábios, pediu:



– Entra...



Elias deitou-se sobre Patrícia e já encostava o pau em sua bocetinha ardente quando ela, segurando o mastro, direcionou-a ao ânus. Fizeram sexo anal em papai-mamãe, Elias socando a estaca por baixo, com força, inteira, e beijando os peitos de Patrícia, que endoidava debaixo do jardineiro.



Depois de enlouquecer por trás, no auge da tara, ela o repeliu, virou de quatro e pediu:



– Tire logo minha outra virgindade, antes que eu me arrependa...



Elias afundou na boceta farta, arrancou-lhe sangue. Patrícia chorou de dor, mas logo se derretia. Notou, no entanto, que por trás era bem melhor.



– Seu Elias, pare um pouco; vamos para o jardim...



Ela se apoiou em uma mangueira, lambeu os lábios. Olhou para os dormitários silenciosos. Despiu-se novamente, debruçou no chão, e se acabou de dar a bunda para Elias, que lhe esporrou no cu e depois na boca, enquanto ela o mamava, ali mesmo, sobre a grama...



A partir disso, o jardineiro seria brinquedo da freira, que firmava sua vocação, sua perpétua vontade de permanecer no convento, reclusa, sem contato com o mundo, desde que Elias continuasse exercendo seu ofício.



Ele era burro, tapado, mas excelente trabalhador braçal.







VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS



contos motorista vez amor com patroacontos de mulheres que gostam de mamar caralhos e levar na conacontos erotico d fui dormi so d calçinha com papai me ferreiConto erotico cachorr e mulhconto crente bunda desproporcionalzoofilia com porcative de dormir com o velho na cama de casal contoscontos eroticos minha mulher me castiga apertando minhas bolascontos eroticos fui comprar cerveja e.comeram minha esposacontos eroticos amei ser estupradaele me seduzio e quebrou meu cabaço historeas reaisSou casada fodida contocontos porno faxineira doidasContos eroticos de filho arrombando a irma virgemxvedeo porno cuadinha tava triste cuanhado animou fedendo elacontos gosto de picacontos eroticos transformado em putaSou casada mas bebi porro de outra cara contoscontos eroticos de irmã chupando pinto pequeno do irmão novinho de idadetravesti de vestido e botinha querendo pica na bundinhacasadoscontosgayscontos eróticos com irmão de santodepilada pelo amigo contoscontos eroticos com dialogo molestada pelo patraocoroas enfieins pornotransando com a namorada mais perfeitano banheiro com vo contos eróticoconto erotico punhetinha na praiazoofilia ela casou com negao mais quando viu o tamanho do pau enorma dediu ajudaa maeFoderam gente contos tennscontos os sequestradores fizeram comer minha mae para comerEu e meu ex primo viuvo conto eroticocontos gozando nas calcinhas dekarolConto as primas na roçaconto gay virei garota do sogroconto erotico mulher trai marido preto velho e barrigudocontos mae queria manma meu paumeu marido me flagrou fodendo contosprimeira vez que comi meu amigodando pro cachorrocontos de incesto mae e filhoContos menininha pequena deixou homem comer seu cuzinho por doceconto erótico eu meu namorado e minha amigaas mulher freira depilando o priquito no conventocontos eroticos sou uma coroa vagabunda levei o muleke na minha casa e fiz ele comer meu cu e minha bucetavizinha exibidaconto eroticoeu pai me estuprou gayconto lesbico garota come cu da boasuda eteroContos eroticos meu rabaocontos insesto comi minha irma e mae duas gostosas com fotoscontos minha primeira vez a tresconto eróticos minha patroa mim paga so pra chupar a xana delaContos de Capachos e submissos de garotasMinha mulher voltou bebada e sem calcinha em casa contosconto erotico incesto sonifero filhacontos de estupro na praiacontos iniciando o viadinho infanciaxexo. loira. porno. puta4acontos eroticos noite do pijamasou puta do meu cachorrocomendo minha irmã enquanto a minha mãe olha o Bingopenis com largura de 1palmo é. grande lindasapertadasconto adoro cu de casadacorno leva mijada em casa contosconto garoto esperimentei da cucontos irman coxudaconto erótico de casada que chegou em casa completamente arrombada e o marido percebeuconto esposa com negãoconto erotico gay jericontos eroticos escondidoContos eróticos linguada safadocontos eroticos de puta sendo estrupada no estacionamentoSou magrinha e gosto de rolas enormes contos eróticoscontos eróticos eu e minha mãe na praiacontos eróticos gay surubaminha namoradinha me provocou pra fuder brasilposso te fazer um broxe contoConto erotico tirou o cabaco da casadinhaContos de casada estrupada dentro de casacontos eroticos me arromboupapai encheu minha boca de porraUma buceta fofinha afim de um dotado contoscontos eroticosforçado com animaiscontos eroticos o faxineiro comeu minha mulher parte 2contos eróticos esfregaçãocunhada bucetudameu filho me comeu contosfilho adotivo contos eróticos/conto_25309_vestida-de-colegial-perdi-meu-cabaco-com-meu-tio..htmlconto erótico piroquinha da mamãesou uma mulher crente mas quero picacontos eroticos gay negronão sei como ela aguenta toda no cu e na boca está pica gigantecontos de quen comeu coroas dos seios bicudoscontos eróticos coroas na casa de repousocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casa